sexta-feira, 14 de outubro de 2011

a cidade dos vidros


o bulbo branco no teto brilha
um instante e se dissolve
como uma pastilha de sal de frutas
no copo da escuridão


desperto
caindo de guarda-chuva
na zona verde
da manhã


como se mergulhasse numa
floresta
rumo ao imenso
sistema das raízes


ou como se o mar fosse fundo
espelho voltado
para a lonjura do céu
um muro horizontal


o lago de mármore janela
aberta para o centro
da terra
o que é ser rio e correr?


cada pessoa é uma porta
entreaberta
para um mundo
onde há lugar para todos


mariposas loucas de verão
são pequenos telegramas
pálidos
que a noite envia


passeio pela avenida neonazi
skinheads por detrás das nuvens
uma chuva fininha pura
como agulhas de vidro


tudo que está vazio
volta sua face para mim
e murmura não estou vazio
apenas espero


na noite estrelada
dos meninos de rua
o último a dormir
apaga a lua

2 comentários:

angela disse...

Exitem aqueles que mergulham em direção as raízes e outros que apagam a lua e nenhum escolheu o que faz...mesmo achando que sim. Lindas metáforas.

Dalva Maria Ferreira disse...

Quem diria! Quem diria.