segunda-feira, 6 de junho de 2011

Sem Vento Sem Brisa


Não falarei dos sonhos do
amor

Não mostrarei o desejo
nem minha carne
Não tocarei seu corpo
não beijarei sua boca
Esta sina você me deu
A que lhe dou?
Nunca saberá quando morreu
o sentimento

6 comentários:

João Ludugero disse...

Gostei muito do seu blog. Quero voltar aqui mais vezes. Já te adicionei para poder te "perseguir" com maior assiduidade. Parabéns pelo formidável site. Adoro Poesias. Já li e reli vários textos, cada um melhor que outro. Voltarei, de certo.
Eu tenho um blog de poesias. Se quiser passar por lá agradeço. Deixe seus coments. E, se gostar, e quiser me seguir, fico agradecido.
Até mais!
Abraços,
João, poeta.
www.ludugero.blogspot.com

Sergio Martins disse...

Belo poema; parabéns!
Quando acaba o sentimento, as aspirações românticas do corpo e da alma parecem desaparecer. Bjs!

missosso disse...

que bela vingança: nunca saberás quando me perdeste... animal!

angela disse...

João, um prazer tê-lo aqui.
Obrigada;

angela disse...

Sergio, obrigada.
beijo

angela disse...

Missosso, vingança mais xinfrim, né?
beijo