sábado, 17 de dezembro de 2011

Noitches Paraguayas (parte 2)


Durante a noite Raulino acredita escutar o tique-taque do cérebro do irmão a funcionar; na verdade, o que ele espera é surpreender o momento do descompasso, quando a um tique segue outro tique, ou quando um taque se desdobra no seu gêmeo, introduzindo o ruído na máquina babelina do pensamento. Deve ser por isso, pensa, que o garoto assiste milhões de vezes o filme do peixinho laranja que tenta voltar para o pai, e o pai para ele ― o peixinho do desenho é rengo de uma das barbatanas. O outro assunto torturante é Aluízia, que bate ponto na Love Story; de madrugada ela se transforma na Índia Guarani, ao chegar de manhã ele junta seus ganhos miúdos do tráfico ao michê dela para as compras da casa. Todos os sonhos de Raulino se resumem a ganhar muito dinheiro para poder tirar a irmã da vida e pagar um tratamento para o caçula.
Uma das poucas vantagens de ser tido como débil mental é que as pessoas, com o passar do tempo, passam a esquecer que você está presente e falam tudo que pensam. Rosendo descobriu esta vantagem feita de teimosia, amor ao impossível, vento e cheiro de bosta de vaca. Aquele vento constante e o cheiro da bosta de vaca. Duas coisas que não existem em São Paulo, assim como várias outras, por exemplo, sendo clandestino, agora não precisa freqüentar a escola; para ajudar nas despesas, trabalha de garoto-placa dos empreendimentos imobiliários da região do Baixo Augusta. O menino ama estar nas ruas, principalmente as daquele bairro animado de tribos urbanas, baladeiros, moradores pacatos e artistas, esquisitos de todo tipo, gente flauteando ao deus-dará, parasitas vivendo de sobras, expedientes, golpes de sorte ou do descuido alheio. Quase sempre sonha com milharais ondulando ao sol, sombras de bambuais se debruçando sobre a água mole de corregozinhos onde estrila o canto melancólico das cigarras.
Aluízia não suporta mais o cozinha-quarto-sala em que moram. Às vezes contempla aquele espaço pequeno demais para três pessoas e se pergunta quando a sua vida voltará ao normal. A quitinete não é feia demais, e até seria muito boa se não fosse tão ruim; a luz acobreada se derrama de uma lanterna marroquina e o grande turíbulo tibetano-fake espalha um perfume de rosa que se mistura aos odores lancinantes do pó-de-arroz, dos boiões de creme e ungüentos do seu toucador de dama da noite. A hora de dormir, que para ela é de dia, enche-a de terror; por sorte é um momento em que os irmãos não estão em casa para ouvi-la acordar gritando de medo. O pesadelo segue um roteiro praticamente invariável, há sempre a árvore ao lado das águas do rio, pelo qual vou descendo até que surge a serpente e, depois, no céu vêem-se as ondulações de um dragão vermelho; o dragão é feito de bronze e a serpente brilhante de ouro e jade. Daí em diante, sucedem-se as visões tremendas: um boi surge das matas com um demônio de rosto canino a pular-lhe nas costas; uma multidão de mulheres belas, mas corrompidas e putrefatas, que cavalgam escorpiões-serpente; um gigante esquelético com uma cabeça de bode vem do poente; ergue-se das águas uma mulher de rosto distorcido e cambiante, sua pele esparrama-se sobre o corpo de um besouro colossal; exércitos de homens semi-formados brotam da lama com os corpos unidos a turbilhões de vermes e peixes; por fim, uma figura negra espessamente velada coberta de rodas regirantes chega com uma música diferente, feita de ruídos selvagens, rimas inesperadas, amor, água, sangue, árvores, pedras, pássaros, ventos, fogo, esperma ― então acordo, porque sei que estou diante do Inominável.

― Entãonces, macho viejo, que cara que é essa? Parece que chupou e não engoliu, cumpádi, senta aí moço e vamos dividir a breja pra móde abrir a alma ― Xico Ciência batia ponto no boteco da Antônia; jornalista e boêmio, era figurinha fácil dos inferninhos e privês da rua Augusta muito antes de ela se tornar o hype vanguardista que é hoje.
― Caray Chiquito, que me muero antes de nascer. Como me gustaría teñer mucha plata, esto de hacer el dealer y dejar los paquetes gruesos con el patrón...
― Ô Raulino, meu indinho guarango, filho que não tive nem no pampa nem no Crato, a verdade é aguda e precisa qual peixeira de baiano: tu tem mais é que largar essa vida de trafica, véi, quando o esquema da boate rodar, quem roda é o bagrinho como tu, não o peixe gordo do patrão...
― Sí que lo dices bien, pero, la señoria no acepta gazapas por pagamiento, tampoco la mercería, además, quiero sacar a mís hermanos de las ruas...
― Tens razão baguá, além do que... veja, que raparigueiro eu sou, nunca neguei, nem sou de falsos moralismos, porque não há damas que cheguem aos pés das Messalinas desta abençoada e fuleira zona, amém, mas isso de pegar menor... tô fora! Também me dói, como macho de responsa, ver tua irmã por aí... Por outro lado, bichinho, por que tu não empresarias os músicos da tua terra?
― Ay, hombre, no puedo volver a mí país, los narcos me empaketan pra regalo la horita misma que yo...
― Ah, muleke, mas pra quê ir até lá se já inventaram a internet e o celula, pochonto? Escuta, aquele antro da perdição baladeira, o Caldeirão do Diabo, vai promover um mês de free style da perifa, só música latina, entra nessa, vira empresário e vai fazendo teu nome no métier...
Desta forma começou a carreira de agente musical de Raulino e a primeira excursão em solo brasileiro do grupo “Noches Paraguayas”.

2 comentários:

Olga disse...

Nice blog...take a look at my christmas video.

www.olgsblog.de

angela disse...

O mundo dá tantas voltas e as vezes no ritmo de guarânias.