sábado, 27 de novembro de 2010

Berço


Sou o suor
liquido vivo
escorrendo pelo chão,
pelas frestas
misturado a terra

Sou o barro
o berço da semente
inchada, rompida

Sou a pequena grama
planta atrevida
procurando caminho
estirada
sentindo a brisa
e um pouco de sol
fincada no chão

3 comentários:

missosso disse...

ah, que bem achado, a poesia é essa pequena grama atrevida lutando para germinar em nós.

VELOSO disse...

Somos... AMIGA QUE PRAZER REVER VOCÊ! O tempo tem feito que fique meio ausente e atrapalhado até as postagens no blog com a periodicidade e qualidade que gostaria mas a gente vai levando obrigado pelo carinho lá. Linda poesia parabens e tô seguindo mais esse espaço!

Dalva Maria Ferreira disse...

Muito lindo, poeta.